13ª sessão da Escola do MCC | Orador: Carlos Miguelote

Escola do_MCCRealizou-se no dia 21 de Maio, pelas 21h15, no Centro Paulo VI em Darque, a 13ª Sessão de Escola do Movimento dos Cursilhos de Cristandade, em que foi palestrante o Dirigente e membro do Secretariado Diocesano do MCC, Joaquim Carlos Almeida Miguelote de Castro, da Paróquia de Santa Maria de Carreço, que apresentou o tema: “Como perseverar no MCC? Meios de Perseverança»

Carlos Miguelote começou por se referir aqueles que nos dão o testemunho de perseverança, como é o caso da frequência desta Escola de Cursilhistas e acentuou: Cada um de vós tem um motivo diferente para estar aquimas é por Jesus Cristo que aqui estamos todos. Falou da sua entrada no Centro Paulo VI para fazer o seu Cursilho e o que isso mudou a sua vida, porque no Cursilho temos uma vivência forte com Cristo, que nos leva a uma mudança de vida, na vivência de um cristianismo alegre e autêntico, no amor a Deus e aos Irmãos.

Perseverança: No Cursilho descobrimos um Cristo vivo, mas não O descobrimos completamente, temos que O ir descobrindo ao longo da vida. Perseverar é sermos santos e ajudar os outros a serem santos, mas não um santo de outros tempos, mas um santo actual, que vive no mesmo tempo que nós.

O palestrante falou-nos em seguida do ideal de cada um, referindo é importante ter um ideal, mas que isso não chega, é preciso lutar por ele, mesmo que nos pareça que a meta traçada é inatingível no nosso posicionamento, no hoje das nossas vidas, na necessidade de sermos santos, santos no amor aos pais, nos filhos, no funcionário, no patrão, no vizinho, em todos os nossos irmãos e estarmos cientes da dependência de Cristo na nossa vida.

Qual é o segredo da perseverança, questionou! São vários os meios de perseverança e o Movimento tem meios para nos ajudar a perseverar, como é a reunião de Grupo e a Ultreia, que são meios essenciais para perseverar.

A reunião de Grupo deve ser uma reunião de amigos, em que sintamos amizade e o desejo de permanecermos amigos, entusiasmados a viver uma vida de santidade, tendo Cristo sempre presente em cada momento da nossa vida.

Falou-nos da importância em manter equilibrado o tripé do Cursilhista Piedade, Estudo e Acção” O Senhor espera de nós Cristãos alegres e activos.

Piedade: Cristo conhece a tua e a minha vida de Piedade, o que Ele quer é que a vivas na tua vida.

Estudo: Porque não no Grupo meditar um texto Bíblico, Carta Pastoral ou Exortação Apostólica, que alicerça o compromisso que deve sair da reunião de Grupo.

Acção: A acção apostólica tem que ser vivida com verdadeiro sentido de amor a Cristo, pois é com o nosso compromisso saído do grupo e o nosso testemunho que levaremos outros irmãos a viver a experiencia de um Cursilho.

O tripé do Movimento dos Cursilhos de Cristandade é Cristo e amizade”, o Cursilhista deve respirar amizade e alegria e assim convenceremos outros a aproximarem-se mais de Cristo.

Não queremos nem devemos ser doutores, mas queremos ser dirigentes na família, no trabalho, na sociedade, em todas as situações da nossa vida.

E terminou dizendo: Se os Grupos ou a Ultreia não funcionam bem nas nossas Paróquias, a culpa é de todos nós. Vejamos a Ultreia e o Grupo como se nos estivéssemos a ver a nós próprios.

Este é um pequeno resumo de um trabalho profundo e testemunhal que nos foi apresentado por Carlos Miguelote e deixou-nos a certeza de que, com a frequência dos meios disponíveis pelo Movimento, uma forte vivência de Amor a Jesus Cristo e aos irmãos, alimentando-nos da Palavra e da Eucaristia e dando testemunho de um Cristo Vivo, presente no meio de nós e em comunidade é possível perseverar e caminhar rumo à santidade e levar outros ao encontro. 

Publicado em 29 de Maio de 2018

Escrito por José Borlido

AddThis Social Bookmark Button