1º Dia Diocesano da Música Litúrgica

dia diocesano_da_Musica_liturgicaA Diocese de Viana do Castelo vai promover, a 03 de Novembro do ano em curso, no Auditório Paulo VI na vila de Darque, o 1º Dia Diocesano da Música Litúrgica.

Esta iniciativa, promovida pelo Secretariado Diocesano de Liturgia de Viana do Castelo e integrada no dia da Diocese, é um dia formativo “para todos os Grupos Corais da Diocese”, com “grande destaque para a Apresentação do Cantoral Nacional para a Liturgia”, recentemente publicado pelo Secretariado Nacional de Liturgia, realça uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

A abertura dos trabalhos, 09h30, é feita por D. Anacleto Oliveira, Bispo de Viana do Castelo, e 15 minutos depois {09h45} é apresentado o Cantoral Nacional por Emanuel Pacheco - Serviço Nacional de Música Sacra.

O resto da manhã {10h45} é preenchido com vários workshops {formação} sobre canto, direcção coral e órgão que vão ser orientados por Vítor Lima; Emanuel Pacheco e Padre Jorge Barbosa, respectivamente.

Às 11h45, haverá ensaio geral para a celebração litúrgica e às 12h45, almoço, da responsabilidade de cada grupo participante.

Só com a devida formação dos leigos neste campo, é possível reduzir a influência musical de pouca qualidade”, lê-se na nota.

A eucaristia, às 15h30, encerra os trabalhos e é presidida por D. Anacleto Oliveira.

Os Grupos Corais Litúrgicos podem inscrever-se através de: This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Viana do Castelo, 16 Out 2019

Cantoral Nacional

Sobre o primeiro ”CANTORAL NACIONAL PARA A LITURGIA", aprovado em Julho do corrente ano, pela Conferência Episcopal Portuguesa e confirmado pela Santa Sé:

Este repertório procura não só evidenciar o significado e o papel do canto na celebração litúrgica, mas também responder ao pedido de um reportório nacional, em condições de sugerir alguns critérios fundamentais que orientem na escolha dos cânticos e garantam a dignidade das celebrações nas Dioceses portuguesas”, explica o presidente da Comissão Episcopal da Liturgia e Espiritualidade, D. José Cordeiro.

Num comunicado, o SNL informa que o ‘Cantoral Nacional para a Liturgia, responde a “uma dupla exigência” e “reconhece cânticos adequados” às celebrações litúrgicas, partindo da produção tradicional e também dos últimos decénios, isto é, “cânticos com textos e melodias novas, e cânticos com textos novos e melodias preexistentes”.

A outra exigência da nova publicação é que “difunde, mediante escolhas feitas”, a alguns critérios de reconhecimento e seleção de cânticos, “que ajudem a uma escolha mais atenta a nível local”.

Segundo o Secretariado Nacional da Liturgia a seleção dos cânticos “a maioria são em língua portuguesa, mas alguns são em língua latina, normalmente da tradição gregoriana” foi da responsabilidade do Serviço Nacional de Música Sacra que “reuniu uma equipa de pessoas de várias Dioceses de Portugal” e com “formação musical e litúrgica de diferentes sensibilidades”.

Mantiveram-se alguns cânticos de índole popular e também outros de âmbito local que pareceu continuarem a ser muito úteis. Estes cânticos mereceram ser eleitos pelo apreço dos fiéis que os usam com ativa participação e grande proveito espiritual”, assinala D. José Cordeiro.

O processo foi longo, refletido e amadurecido – incluindo a consulta de publicações anteriores – e contou com uma vasta participação de pessoas ligadas à Música Sacra e ao Canto Litúrgico, nomeadamente os delegados diocesanos ao Serviço Nacional de Música Sacra, diretores de coros e outros, que fizeram chegar os seus contributos”, desenvolve.

Segundo o também Bispo de Bragança-Miranda a publicação “proporciona cânticos para qualquer celebração, não esgotando as muitas e variadas celebrações litúrgicas”, à excepção da Liturgia das Horas que tem as publicações próprias.

O primeiroCantoral Nacional para a Liturgia" para além de aprovado pela Conferência Episcopal Portuguesa foi confirmado pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos.

O Cantoral Nacional responde a uma dupla exigência:

  1. Reconhece cânticos adequados às celebrações litúrgicas, partindo da produção tradicional e também dos últimos decénios (cânticos com textos e melodias novas, e cânticos com textos novos e melodias pré-existentes);
  2. Difunde, mediante escolhas feitas, alguns critérios de reconhecimento e selecção de cânticos, que ajudem a uma escolha mais atenta a nível local

O Secretariado Nacional da Liturgia informa também que publicou o livro “Salmos Responsoriais, domingos, festas principais e comuns (Ano A, B e C)”, com música de António Azevedo Oliveira.

AddThis Social Bookmark Button